(95) 99159-8088

NO AR

Radio Roraima

radiororaima.com.br

Brasil

Ministro da Educação defende fim dos cursos de licenciatura 100% EAD

Santana diz que formação presencial é essencial para garantir a qualidade da educação

Publicada em 05/12/23 às 15:34h - 15 visualizações

por Carta Capital


Compartilhe
 

Link da Notícia:

O ministro da Educação, Camilo Santana, defendeu o fim dos cursos de licenciatura 100% EAD.  (Foto: Reprodução/Internet)
O ministro da Educação, Camilo Santana (PT), defendeu nesta terça-feira (5) o fim dos cursos de licenciatura ministrados 100% na modalidade a distância. Esses são os cursos responsáveis por formar os professores no País.

A declaração do petista foi concedida à revista CartaCapital. Santana argumentou que a formação de professores é uma atividade complexa que exige interação presencial entre alunos e professores.

"A formação de professores é uma atividade que exige uma relação muito próxima entre alunos e professores. É preciso discutir, dialogar, trocar experiências. Isso é muito difícil de fazer na modalidade a distância", disse Santana.

O ministro ainda ressaltou que a formação de professores deve ser feita de forma presencial para garantir a qualidade da educação no Brasil.

"A formação de professores é fundamental para a qualidade da educação. Se nós não formarmos professores de qualidade, nós não vamos ter uma educação de qualidade", afirmou Santana.

A defesa do fim dos cursos de licenciatura 100% EAD é uma mudança de posição do governo federal. Em 2020, o então ministro da Educação, Milton Ribeiro (PL), defendeu a expansão da modalidade a distância na formação de professores.

Ainda não há uma data para o fim dos cursos de licenciatura 100% EAD. O governo federal estuda uma forma de regulamentar a modalidade de forma que ela atenda às necessidades da formação de professores.

Reações à declaração do ministro

A declaração do ministro da Educação foi recebida com apoio por entidades que defendem a qualidade da educação no Brasil.

A União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), por exemplo, afirmou que a formação presencial de professores é "fundamental para a qualidade da educação".

"A Undime defende a formação presencial de professores, pois é a modalidade que garante a qualidade da formação e o desenvolvimento das competências necessárias para o exercício da profissão", disse a entidade em nota.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) também apoiou a declaração do ministro. A entidade afirmou que a formação presencial de professores é "a melhor forma de garantir a qualidade da educação".

"A CNTE defende a formação presencial de professores, pois é a modalidade que garante a qualidade da formação e o desenvolvimento das competências necessárias para o exercício da profissão", disse a entidade em nota.

Por outro lado, a Associação Brasileira de Ensino a Distância (Abed) manifestou preocupação com a declaração do ministro. A entidade afirmou que a modalidade a distância pode ser uma alternativa para a formação de professores em regiões remotas ou com escassez de oferta de cursos presenciais.

"A Abed acredita que a educação a distância pode ser uma alternativa para a formação de professores em regiões remotas ou com escassez de oferta de cursos presenciais", disse a entidade em nota.



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








.

LIGUE E PARTICIPE

(95) 99159-8088

Copyright (c) 2024 - Radio Roraima
Converse conosco pelo Whatsapp!